Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

» Para receber os textos do Slow Food Brasil por email, basta você cadastrar seu endereço:


Acompanhe também via: Slow Food Brasil via RSSSlow Food Brasil no TwitterSlow Food Brasil no Facebook

Milho crioulo, alimento sagrado. De norte a sul do país, populações lutam por essa – e outras sementes originárias –, em busca de soberania alimentar

Diversas-tenonde_02.jpgDiversidade de milho. Foto: Tenondé_Porã

Para garantir o acesso ao alimento bom, limpo e justo para todos é imprescindível pensar em soberania alimentar - direito das comunidades de decidir o que cultivar, produzir e comer. Os caminhos são tortuosos e as ações transcendem a política institucional, sendo trilhadas no micro, através de iniciativas da sociedade civil em suas comunidades e aldeias. 

Sim. É na Terra Indígena Tenondé Porã que Jera (lê-se Djerá) Tenondé Porã, liderança indígena Guarani Mbya, vem lutando há mais de dez anos pela salvaguarda das sementes, por autonomia alimentar e pela demarcação das terras de seu povo. Hoje, a Tenondé Porã compreende nove aldeias, em 16 mil hectares localizados em Parelheiros e Marsilac, distritos da Zona Sul da capital paulista, além de São Bernardo do Campo, São Vicente e Mongaguá.

Cambuci, uvaia, grumixama. Por quê fruta nativa no Brasil "é grego" e como a gastronomia - e a coquetelaria -, podem contribuir para a valorização das espécies

Foi há cerca de um ano que Júnior Magini deixou o emprego como motorista de ônibus e passou a se dedicar integralmente ao cultivo de frutas nativas no sítio da família, que data da década de 1970. Porém, o entusiasmo do agora agricultor não deixa negar: a paixão pela terra vem de cedo, do tempo em que o pai protegia o único pé de cambuci que ainda repousa no fundo do terreiro. Foi só quando o pai veio a falecer, que a mãe do Júnior, a Maria Elizabeth de Sá, decidiu arriscar algumas mudinhas para complementar a renda, em 2006.

Hoje, são 200 pés da fruta nativa no Recanto Magini, que faz parte da Comunidade Slow Food Rota do Cambuci pela divulgação dos produtos da Mata Atlântica e fica em Parelheiros, distrito de São Paulo. "Muita gente escuta falar daqui e já assimila: periferia, longe e extremo sul. E nós temos de tudo aqui: agricultura familiar, somos um dos maiores produtores de orgânicos da cidade; temos cachoeiras, esportes radicais", desmistifica Júnior.

Cambuci_GlennMakuta.jpgFrutos maduros de cambuci | Foto: Glenn Makuta

Os povos indígenas são os mais eficientes conservacionistas da biodiversidade mundial. Isso é particularmente verdadeiro nas reservas indígenas brasileiras, que detêm a maior parte das partes virgens da floresta amazônica. Quase um quinto de todos os animais e plantas da Amazônia vivem nesses territórios, os quais retêm 25,5% de todos os estoques de carbono no Brasil – e os povos originários dependem desses ecossistemas e em suas terras para sobreviverem.

A luta para proteger suas terras da grilagem, garimpo e extração ilegal na região é brutal e sangrenta. Nesse cenário, tem sido alegado que o governo Jair Bolsonaro está usando a pandemia como cortina de fumaça para continuar atividades ilegais de desmatamento e apropriação de terras.

Os estados do norte do Brasil, incluindo o Amazonas, foram os mais atingidos pela pandemia. Mais de 60 comunidades indígenas confirmaram casos de COVID-19 e a maioria deles foi registrada na região amazônica, de onde as pessoas só podem ir a hospitais de barco ou avião – a distância média entre aldeias indígenas e a unidade de terapia intensiva mais próxima (UTI), no Brasil, é de 315 quilômetros.

 

JSFB

Anouk e Vianne na Chocolateria MayaO filme Chocolate narra a história de Vianne e Anouk, mãe e filha que chegam a uma pequena cidade no interior da França, numa tarde de inverno, levadas pelo vento norte. É Anouk, já adulta, quem conta o que ali se passou, nos dias de sua infância, em fins dos anos 1950. Sua narrativa assume a forma de uma fábula, cujas palavras iniciais - ‘era uma vez’ – anunciam que eventos mágicos e, quem sabe, um final feliz, podem ser esperados.

JURUNA

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, a Comunidade Slow Food Valorização da Mandioca do Povo Juruna KM 30, localizada na aldeia indígena Boa Vista do Povo Juruna, em Vitória do Xingu (Pará), perdeu o contrato de venda de seus produtos para a merenda das escolas públicas do município. Para não perder esses alimentos e ainda fazer o bem, Murilo, Amaury e Marineide, integrantes da comunidade, tomaram a iniciativa de doar toda a produção agrícola sob a forma de cestas para as famílias carentes da região. Essas cestas são compostas de alimentos bons, limpos e justos produzidos por esse povo tradicional, por exemplo alimentos como derivados da mandioca, tucupi, milho verde, abóbora, dentre outros.

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s