"O Conselho reconhece que o apoio dos Estados para os agricultores familiares, comunidades de pescadores e empresas locais é um elemento-chave para a segurança alimentar e para o exercício do direito à alimentação." (Direitos Humanos da ONU Resolução do Conselho sobre o Direito à Alimentação, 26 de março de 2009)

Dos 15 milhões de pessoas que pescam em tempo integral, a vasta maioria trabalha  barcos que têm menos de 24 metros de comprimento: eles são a força viva da pesca artesanal.

Trabalhando nos oceanos, mares e lagos do mundo, alguns deles pegam somente algumas espécies de peixe, em estações específicas, utilizando técnicas seletivas e procurando manter uma forte identidade cultural e tradições ancestrais. Eles salvaguardam uma profunda e insubstituível sabedoria sobre as populações de peixes.

Os apoios governamentais deveriam ser oferecidos acima de tudo a essas pessoas, que se preocupam muito com a proteção dos recursos. Infelizmente, a realidade é muito diferente.

Ao consumir o peixe capturado por essas comunidades, podemos reunir prazer e responsabilidade.