Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

 

Receita do Desafio Slow Fish: Risoto de Butiá e Tainha Rolé com Molho de Camarão

Enviado por: Alexandre Baggio Freitas - Porto Alegre/RS - 04/2013 

 

Peixe :    TAINHA 

Nome Comun: Tainha

Nome Científico:  Mugil platanus/ Mugil  liza

Tamanho Mínimo:  35cm

Tamanho Máximo:  1mt/8kg

Época da pesca: Regiões norte e nordeste liberado; Regiões sul e sudeste em desembocaduras; defeso[1]  início 15 de março / término 15 de agosto.  Estuário da Lagoa dos Patos-Rio Grande do Sul início primeiro de junho/ término 31 de setembro.

Encontrado: Regiões norte, nordeste, sul e sudeste.  Vive nas proximidades de costões rochosos, nas praias de areias, canais e manguezais onde se alimentam de grandes quantidades de algas.

Distância Mínima da Costa: 3 a 10 milhas da costa.

Características:  Peixe de escamas,  corpo alongado e fusiforme, com coloração prata azulada e dorso mais escuro.  Espécie que forma grandes cardumes, principalmente durante migração reprodutiva, quando entra nos estuários.

 

Pesca e Tradição

A pesca da Tainha é das mais importantes da região sul e sudeste do Brasil[2].  São capturados em sua maioria pelos pescadores artesanais, embora frotas semi-industriais e industriais tenham grande interesse na pesca da Tainha.

No Sul, principalmente em Santa Catarina existe forte cultura da pesca da Tainha, vinculada a uma produção que em uma determinada época do ano chega a ser muito abundante.  Isso ocorre também em muitas outras comunidades e vilas caiçaras pelo Brasil, representando tradicional  recurso sócio-econômico-cultural marcado pelas tradicionais festas da Tainha.

 

A migração do cardume da Tainha já foi comentada por vários cronistas europeus do século XVI que por  aqui passaram.  Alguns relataram da importância desta espécie para os indígenas no período[3].

A pesca da tainha com rede de arrastão representa parte da cultura pesqueira em todo o Brasil.  Os conhecedores, espias,  reconhecem de longe quando os cardumes se aproximam da costa.  As vezes passam todo o dia a olhar o mar, a espera do cardume e avisar aos pescadores em terra já próximos de suas canoas.

As Tainhas são capturadas de diversas formas, a mais tradicional é com rede de arrasto, rede-de-emalhe, com traineiras e o arrasto-de-praia, já pouco praticado.

A pesca da Tainha devido a pesca predatória realizada por muitos anos, vem no presente momento,  sendo monitorada e fiscalizada, pois os cardumes estavam reduzindo significativamente.  Hoje há incentivo apenas da pesca artesanal da Tainha, mas para isso, os pecadores artesanais  devem respeitar a época de defeso da espécie[4].

 

 

Pescado:  CAMARÃO

Nome Comum:  Camarão Rosa

Nome Científico:  Farfantepenaeus paulensis

Tamanho Mínimo:  -

Tamanho Máximo:  9cm

Época da pesca:  Regiões sul e sudeste de 1º de março à 1º de maio.  Com diferentes períodos de defeso, cada estado apresenta um determinado período [5].

Encontrado: Espécie nativa  do Oceano Atlântico Sul.  Importante recurso pesqueiro das regiões sul e sudeste do país.

Características: A espécie F. Paulensis usa a Lagoa dos Patos na fase de desenvolvimento juvenil.  Desova no oceano e na fase pós-larva usa o estuário para crescer e na fase adulta retornar ao oceano e recomeçar o ciclo.

 

Pesca e Tradição

Existem camarões de lagunas, áreas de lagoa que recebem água do mar,  como no caso o Camarão Rosa da  Lagoa dos Patos.  Este, da espécie F. Paulensis usa a Lagoa dos Patos na fase de desenvolvimento juvenil.  Desova no oceano e na fase pós-larva usa o estuário para crescer e na fase adulta retornar ao oceano e recomeçar o ciclo.

Este Camarão possui grande valor comercial, já com período de defeso específico para este ecossistema.  A pesca artesanal do Camarão Rosa na Lagoa dos Patos  está regulamentada pela portaria do IBAMA  171/98 e pela instrução normativa 03/2004 do Ministério do Meio Ambiente e da Secretaria da Aquicultura e Pesca.

A extração  na Lagoa aos Patos está voltada unicamente aos pescadores artesanais locais.  Existem cultivos em cercados na Lagoa dos Patos sendo estudados, voltados para incrementar o orçamento dos pescadores artesanais da região[6].

A receita do Risoto com Molho de Camarão foi realizada com Camarão Rosa da Lagoa dos patos.  Pois ao contrário de outras regiões do Brasil o mês de março é período de safra de Camarão Rosa na Lagoa dos Patos.

 

 

Receita:   Risoto de Butiá e Tainha Rolé com Molho de Camarão

Ingredientes:

Tainha; Camarões; manteiga; farinha de mandioca; arroz arbório; suco de Butiá; parmesão; cebola picada; tomate; pimenta-do-reino; geleia de pimenta;  folhas de manjericão; alecrim; sal.

 

Preparo:

Tempere os filés de tainha com limão, sal, pimenta-do-reino e reserve.  Refogue o camarão no molho de tomate, tempere com sal, pimenta e um cl de geleia de pimenta e rasgue 2 folhas de manjericão.   Enrole os filés já temperados com butiá dentro e espete um galho de alecrim, empane a milanesa com farinha Panko e frite por imersão.  Sirva acompanhada ao molho de camarões e risoto de butiá (arroz pré-cozido com caldo de legumes e finalizado com suco de butiá, parmesão e manteiga.

Risoto de Butiá e Tainha Rolé com Molho de Camarão Baggio 2

Pesca e Tradição

A Tainha  além de possuir valor comercial é  espécie apreciada por muitos.  Grande consumo doméstico e em restaurantes de praia.

A receita do Risoto com Molho de Camarão foi realizada com Camarão Rosa da Lagoa dos patos.  Pois ao contrário de outras regiões do Brasil o mês de março é período de safra do Camarão Rosa na Lagoa dos Patos.

 
 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s