Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Guaraná Nativo Sateré-Mawé (Arquivo DoDesign-s)Sobre o Guaraná Nativo Sateré-Mawé

O Guaraná – que na língua indígena significa “o início de todo o conhecimento” – é cultivado há centenas de anos na Amazônia Brasileira, na região próxima ao Rio Tapajós e Rio Madeira, que corresponde à terra ancestral dos índios Sateré-Mawé. Somente no século XVIII, o Guaraná foi classificado pelo botânico alemão Christian Franz Paullini como Paullinia cupana, variedade Sorbilis.

Os Sateré-Mawé são hoje uma tribo de cerca de 8.000 pessoas que vivem em 80 aldeias no norte do Brasil. Eles não cultivam o guaraná no senso clássico da palavra, seu sistema é melhor descrito como “semi-domesticação”. Coletam as sementes que caem das árvores de guaraná na floresta, e as plantam nas clareiras, onde são aguadas pela chuva e precisam de cuidados mínimos. Na floresta, o guaraná pode crescer até 12 metros. As flores brancas das árvores crescem em longos cachos, com a forma de espigas de milho. Quando amadurece, as flores dão lugar a cachos de frutas vermelhas, que se abrem levemente para revelar a semente preta na poupa branca. O guaraná é colhido imediatamente antes de madurecerem.

Após a remoção da polpa das frutas maduras, as sementes são torradas por três dias em fornos de barro tradicionais. As sementes são então descascadas, trituradas em pilão, moldadas em bastões que pesam entre 100g e 2kg. Estes bastões são embalados em sacos de algodão e colocados nos fumeiros, onde são defumados com madeira aromática.

Para ser consumido, rala-se os bastões usando pedras ásperas de basalto. O guaraná em pó pode ser dissolvido em água, como acontece nos rituais indígenas, ou pode ser diluído em suco de frutas frescas. O extrato do Guaraná é usado para fazer de xaropes, refrescos e bebidas, como o tradicional refrigerante guaraná (que pode ser achado em todo o Brasil).

O guaraná contém até 5% de cafeína e é rico em fósforo, potássio, tanino e outras vitaminas. O guaraná age sobre o sistema nervoso, ajudando a combater a fadiga, a estimular a atividade cerebral e a manter os níveis de energia durante atividades físicas intensas.

O guaraná é também muito importante para a cultura religiosa dos Sateré-Mawé, onde ele tem um papel simbólico similar ao do vinho na liturgia católica.

Os Sateré-Mawé acreditam que a fruta madura se parece com um olho aberto. De acordo com a lenda deste povo, as frutas estão ligadas a uma criança assassinada, cujos olhos, enterrados como sementes, deram origem à planta do Guaraná.

O mel feito de flores de guaraná é menos comum. É produzido por pequenas abelhas silvestres sem ferrão chamadas abelhas canudo. Essas abelhas são responsáveis pela polinização de certa de 80% da flora amazônica desapareceria. Clique para saber mais sobre o Néctar das Abelhas Nativas.

Ações da Fortaleza

A Fortaleza foi criada graças à ONG ACRA (Associação para Cooperação Rural na África e América Latina). Os produtores são membros do Conselho Geral da Tribo Sateré-Mawé (CGTSM). O objetivo é preservar o guaraná autêntico produzido na terra onde ele nasce e cresce naturalmente, pelas pessoas que descobriram suas virtudes há tanto tempo, e que também inventaram as técnicas mais adequadas para plantá-lo e processá-lo.

O sucesso da Fortaleza significará que ela garantirá não somente a sobrevivência da espécie, que corre o risco de empobrecer radicalmente do ponto de vista genético, mas também a cultura de um povo ameaçado pela entrada das grandes empresas multinacionais. A Fortaleza está promovendo e incentivando o uso mais disseminado do bastão tradicional de guaraná apresentando-o a barmen no mundo inteiro.

» Conheça também as ações da Fortaleza do Néctar de abelhas nativas Sateré-Mawé

 

Área de Produção

Terras nativas Andirá Marau nas bacias dos rios Andirá e Marau
Amazonas-Pará, Norte

Referentes da Fortaleza

Maurizio Fraboni, telefone +55 (92) 3615 4763 ou 8804 2688
acopiama@gmail.com

Maria Cristina Negro, telefone +39 0227000291 (Itália)
mariacristinanegro@acra.it

Obadias Batista Garcia, telefone +55 (92) 3533 6612 ou 9137 2044
obadiasgarcia@gmail.com

 

Apoios

regione-veneto.gif
brasil.gif

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s