Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Estão organizados na forma da Cooperativa dos Criadores de Caprinos e Ovinos e da Agricultura Familiar - COOPERCAPRI. A Comunidade cria caprinos da raça moxotó, animal bastante adaptado às condições do nordeste devido a resistência a intempéries climáticas. Essa criação demanda poucos recursos, sendo acessível a boa parte das famílias. Por apresentar baixa produção de leite, é mais utilizada para a produção de carne. Dessa forma, a comunidade produz a carne de caprino, além de utilizar as vísceras para produzir comidas típicas, como a buchada e o Sarapatel.

A carne de cabra moxotó é um alimento produzido em um sistema extensivo, coexistindo com a caatinga, em um sistema orgânico. Além de estar em sintonia com o meio ambiente, por ser uma raça nativa, a criação de cabras moxotó está associada a comunidade produtora, que tem no animal um símbolo da resistência às adversidades climáticas e econômicas, característica do povo nordestino. Assim, é considerado um produto da sociobiodiversidade, resgatando as tradições culturais da comunidade, além de ser bom, limpo e justo.

A carne de cabra moxotó é resultado dos fatores naturais do bioma caatinga, solo, clima e vegetação, assim respeita o meio ambiente por estar inserido neste bioma, em uma relação na qual o animal depende quase que totalmente do ambiente, pois não há tanto capital por parte dos produtores para investir na produção, como rações especiais. Possui uma característica única: o sabor da caatinga. A maciez e a suculência são resultados da criação  dos animais ao pasto natural, no ambiente da caatinga. O método de produção respeita e potencializa as características naturais da cabra, pois nada é desperdiçado. Além da comercialização da carne, as vísceras são vendidas como matéria prima de pratos conhecidos como nordestinos, o sarapatel e a buchada.

Além disso, também é um alimento justo, pois tem o papel de empoderamento das famílias de comunidades produtoras, pois essa é a principal fonte de renda, além de caracterizar as comunidades. A organização dos produtores enquanto cooperativa teve papel fundamental na divisão da margem de lucro entre os diferentes agentes da cadeia produtiva, permitindo que os produtores tenham maior poder de mercado na definição dos preços de comercialização. Por meio da cooperativa, foi possível reduzir a participação do agente atravessador e também possibilitou a participação dos produtores em programas governamentais para comercialização como o PAA – Programa de Aquisição de Alimentos.

 

Estado/Região/Território: Pernambuco/Nordeste

 

Esta Comunidade do Alimento foi incluída na rede Slow Food pelo projeto:

 

logo projeto completa

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s