Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

A comunidade de Melancia está situada no município de Casa Nova, é uma área de fundo de pasto, povoada por volta de 1960. Formada por 35 famílias que cultivam mandioca, e criam caprinos e ovinos, além de criação de galinhas e outros animais, plantios como hortaliças, leguminosas e outros animais nos quintais de casa. A comunidade vem sendo gravemente ameaçada pela ação de grileiros de terras. Por ser uma região de caatinga, o clima é seco e a paisagem agreste, havendo um movimento de resistências àqueles que colocam em risco a perpetuidade da maneira de viver dessas famílias.

O nome da comunidade vem de uma lagoa que os vaqueiros utilizavam como ponto de encontro para esperar o gado, esses vaqueiros levavam melancias para saciar a fome e sede e deixavam as cascas à beira da lagoa. Com o tempo Passou a ser chamada lagoa da melancia e depois só de Melancia.

Na comunidade são produzidos principalmente feijão de corda e mandioca. Ademais se criam galinhas, suínos, equinos, bovinos, ovinos e caprinos e se fabricam queijos de cabra artesanais em pequena escala para atender ao consumo das famílias produtoras e encomendas. Por ser uma comunidade de Fundo de Pasto, os animais são criados livremente na caatinga, que representa a melhor maneira do animal resistir a longos períodos de estiagem e a alimentação escassa. Dessa forma, são comunidades que produzem para a subsistência, cuja produção de certa forma também é feita em comunidade, uma vez que todos cuidam dos animais, independente de ser proprietário ou não.

A produção do queijo é 100% artesanal, feita na própria casa dos criadores das cabras, garantindo o saber fazer de cada família. Cada queijo possui singularidades, apesar de que há a tentativa de padronização. Da mandioca é extraída a tapioca para a produção de sequilhos, beijus, pêtas, bolos e doces. As técnicas de produção são baseadas no conhecimento popular, mas com uma assessoria técnica mais inovadora.

O feijão-de-corda é colhido manualmente pelas famílias produtoras. É uma leguminosa resistente à seca devido a profundidade das raízes, sendo por isso muito cultivada no Sertão baiano. O processo consiste em colher as vagens, abrir, retirar o feijão e colocar em embalagem, sendo comercializado por quilo ou litro (lata de óleo), unidade de medida típica das feiras livres. O produto é vendido em grãos, e o controle de qualidade está no descarte dos grãos inadequados ao consumo.

 

Estado/Região/Território: Bahia/Nordeste

Municípios: Casa Nova

Referência da Comunidade: Geraldo Oliveira Silva e Maria Estelina da Rocha - (74) 999762721

 

Esta Comunidade do Alimento foi incluída na Rede Slow Food pelo projeto:

logo projeto completa

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s