Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

 

Licuri (Foto: Roberta Sá)Nome do Produto em Português, nome do produto na língua local e em qualquer dialeto relevante Licuri, Ouricuri, Oriciri, Auricuri E Nicuri.

Nome científico:
O Licuri (Syagrus coronata) (Martius), pertence à família Arecaceae, subfamília Arecoideae, tribo Cocoeae, subtribo Butineae (Noblick, 1991). 

Categoria:
fruta

Breve Descrição:
É uma palmeira típica do semi-árido nordestino. Mede de 8 m a 11 m, tendo folhas com mais ou menos 3 m de comprimento, pinadas de pecíolo longo com bainha invaginante, e seus folíolos, de coloração verde-escura, estão arranjados em vários planos. De sua amêndoa (coco) se produz diversos itens alimentícios: licuri torrado, licuri caramelado, granola, cocada,  paçoca, biscoitos, óleo, leite-de-coco e muitos outros produtos. Além de gêneros alimentícios, são produzidos também artesanatos, tais como bijouterias e utensílios domésticos. O coco é também utilizado como ração animal e sua casca é utilizada como combustível de fornos à lenha.

Área tradicional de produção, detalhes sobre a origem do produto e ligação com grupos locais:
A espécie tem uma nítida preferência pelas regiões secas e áridas das caatingas, abrangendo o norte de Minas Gerais, ocupando toda a porção oriental e central da Bahia, até o sul de Pernambuco, incluindo também os Estados de Sergipe e Alagoas.

O licuri tem sido uma importante fonte de alimento e sustento  para diversas comunidades do semi-árido baiano, dentre elas a comunidade de Jaboticaba, distrito de Quixabeira, região de Capim Grosso- Bahia. Em pesquisa etnobotânica realizada em fevereiro 2007 pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), foi verificado que mais de 50% das famílias de Jaboticaba trabalham com o licuri, e em muitas vezes esta atividade é a única fonte de renda de famílias inteiras. Observa-se durante o dia, várias mulheres, homens e criaças quebrando licuri.

O produto é tradicional da área de produção?
Sim. No distrito de Jaboticaba - Quixabeira/Capim Grosso - Bahia, à exemplo do que ocorre em toda a região, o  extrativismo para comércio e consumo, foi passado de geração à geração, tornando-se parte da cultura de um povo, inclusive com músicas locais ligadas à cultura de extração do licuri.

O produto está sendo comercializado atualmente?
Sim. Através da COOPES os produtos são vendidos para a cidade de Capim-Grosso-BA e outras de seu entorno. O leite do licuri também é utilizado na produção de biscoitos que são fornecidos para a merenda escolar do Município de Capim Grosso e beneficiários do Projeto CONAB -PAA.

Qual o volume de produção e comercialização?
Mais de 100 famílias estão envolvidas diretamente com a produção. Cada família produz uma média de 10 quilos por mês chegando à uma produção média total  de 1.000 quilos por mês,  na região de Capim Gosso-Bahia.  

Nome e endereço de contatos relevantes com os produtores
Josenaide de Souza Alves
Cooperativa de Produção da Região do Piemonte da Diamantina
Telefone: (74) 3651-0225/ 9199-8569 
naidemell@hotmail.com

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s