Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

O sequilho é um preparo feito com goma (amido ou polvilho da mandioca, Manihot esculenta ),  uma espécie de “biscoito local".  A goma é um produto extraído da raiz da mandioca, produto esse, farto e abundante na região Nordeste. 

Este preparo foi disseminado através das ações do Padre Cícero que, é considerado um Santo no Nordeste do Brasil. Padre Cícero ensinou aos fiéis dois eventos religiosos: a Reza e a Consagração das Famílias ao Sagrado Coração de Jesus, mais conhecida como "Renovação".  O dia da reza reunia a comunidade e eram feitos os sequilhos no forno do terreiro e o aluá para os convidados. A renovação era a festa mais emblemática, durante a renovação do Sagrado Coração de Jesus, geralmente, celebrada na data de aniversário de casamento do casal, a família pede a Deus proteção para o lar. O tradicional evento religioso, conduzido por uma “rezadeira” ou “rezador”, pessoa responsável por oficializar a consagração, é considerado a festa da família, um momento de louvor, alegria e oração. cada casal convida amigos, parentes e familiares, que participam das leituras e dos cânticos, para renovarem a sua fé e vivenciarem o amor infinito de Cristo.

Feito de modo artesanal, o Sequilho, segue um preparo com ingredientes específicos, leva goma, leite, ovos, açúcar e manteiga do sertão. A  preparação do Sequilho reúne as famílias devotas desde a colheita da mandioca, passando pelo beneficiamento da goma, produção do sequilho, que é assado em forno de barro,  até o preparo da casa (pintura, ornamentação da sala do Santo e alimentos para receberem as pessoas da família e da comunidade). O preparo é peça fundamental de ligação cultural religiosa da comunidade às suas tradições. Nos últimos anos, os costumes que envolvem sua preparação vêm desaparecendo. O produto vem sendo substituído por biscoitos, bolachas, e outros comprados prontos, além de algumas famílias servirem refrigerante na celebração religiosa, no lugar do café e do chá. 

Nosso desafio é conservar o hábito religioso da Renovação, a produção do sequilho tradicional (receita e modo produção regional), conservando assim a mandioca e seus derivados e, também, darmos maior perspectiva de produção e consumo do sequilho tradicional em outras atividades e eventos para que a receita e o hábito não se percam, gerando renda para as famílias que o produzem. Isso poderá evitar a estilização da receita e modo de produção original, que também vem ocorrendo na região. 

As organizações da região, em especial do Ceará, trabalham isso fortemente junto aos seus grupos, investindo na juventude e no resgate e manutenção deste hábito religioso-cultural. As comunidades da Chapada do Araripe vem, aos poucos, buscando discutir, manter ou recuperar esta tradição e esse alimento com seus parceiros, tanto de Pernambuco, como do Ceará, como forma de manutenção de sua identidade local e territorial. 

O Sequilho pode ser consumido puro, com café ou chá. Mas, pode ser acompanhado de outros produtos alimentares como cremes, doces, geléias, queijos e sucos, de produção local. 

Ele está ligado a uma importante tradição local da região Nordeste, em especial no Araripe Pernambucano e Cariri Cearense. Ele é produzido em ocasiões especiais, como as rezas (Ato religioso que acontece uma vez por ano na casa da família em que se comemora o aniversário de casamento ou nascimento dos filhos)  e Renovações (ato religioso para revigorar a fé das pessoas). Na fase da Renovação (encerramento) é tradição servir o sequilho. Esses atos religiosos foram criados a partir da ação do Padre Cícero, que é considerado pelos nordestinos o santo da região. 

Confira o preparo do sequilho no Receituário Slow Food

Indicado por Vilmar Luiz Lermen
Produto embarcado pelo projeto
logo projeto completa

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s