Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

A Goethe (Vitis vinifera x Vitis labrusca var. Goethe) é uma variedade de uva branca, híbrida, de odor e sabor adocicado, característica do grupo moscatel. Surgiu do cruzamento entre duas espécies: Vitis vinifera (também conhecida como uva européia, predominante em seu genoma) e Vitis labrusca (ou uva americana). As videiras pertencem à família botânica das Vitáceas e tem ocorrência na Ásia, Europa e Américas. Dentro das espécies V. vinifera e V. labrusca existe grande diversidade de cultivares e híbridos, sendo, de forma geral, as uvas europeias plantas mais delicadas e que produzem vinhos com maior complexidade aromática e gustativa ao passo que as uvas americanas são mais resistentes a adversidades ambientais e muito valorizadas para  consumo in natura.

As videiras europeias, trazidas pelos primeiros imigrantes, não se adaptaram às condições da região, de clima quente e com várias tipologias de solos, principalmente argilosos e arenosos. Optou-se então por variedades americanas e seus híbridos, sendo estes últimos apresentando características das duas espécies: mais resistentes a problemas fitossanitários, com maior plasticidade às condições ambientais e maior complexidade em termos de aroma e sabor.  

A uva Goethe  é também denominada “Rogers 1”, por ter sido gerada nos Estados Unidos pelo horticultor Edward Staniford Rogers, em meados do século XIX. Rogers foi responsável pelo desenvolvimento de 45 variedades híbridas, que ficaram conhecidas como “os híbridos de Rogers”. Essa variedade foi levada à Santa Catarina em 1890 por Giuseppe Caruso Mac Donald, regente do consulado italiano com forte ligação com a vitivinivcultura. Ele mantinha contato com Benedito Marengo, um imigrante italiano em São Paulo, que foi responsável pela introdução de diversas variedades de uva no Brasil. A Goethe estava entre essas variedades e foi aportada por Mac Donald à região de Urussanga e distribuída aos imigrantes. Ali, se se adaptou às condições de solo e clima da região, se difundindo pela maioria dos parreirais nas colônias em pouco tempo. 

Região constituída por terras baixas, próxima do litoral e com pequenas elevações a caminho da Serra do Rio do Rastro, foi esta a uva que melhor se adaptou às condições naturais encontradas. As primeiras videiras cultivadas na região foram plantadas no Vale do Rio Carvão, em Urussanga. Já em 1887 o vinho era produzido praticamente por todas as famílias das colônias Azambuja (Pedras Grandes) e Urussanga, para o consumo próprio.

Assim, a uva Goethe agradou aos imigrantes do Norte da Itália que ali se instalaram, sendo fundamental e de grande importância para consolidar sua fixação territorial, a partir das manifestações de sua cultura aliada às características deste novo mundo.  

De pequena produção, a uva e o vinho Goethe são identificados como alternativa econômica rural nesse território, sendo os primeiros produtos com Indicação Geográfica (IG) de Santa Catarina. Reconhecidos como ícones da vitivinicultura na região sul, Urussanga realiza, a cada dois anos, a Festa do Vinho e é reconhecida como a “capital catarinense do vinho”. O consumo ocorre principalmente no local, todavia, são exportados para outros estados. São geralmente consumidores que já conhecem o produto que se deslocam até as propriedades para comprá-lo. 

As uvas Goethe e seus vinhos encontraram na IG uma grande força contra a sua iminente extinção. A  falta de incentivo e estímulo ao produto artesanal enraizado culturalmente no território é um grande desafio: são muitas as dificuldades em conseguir competir com os vinhos vindos de outras regiões, de produção em grande escala ou importados, não taxados como os nacionais. Com isso correm risco de que seus produtores e defensores abandonem a tradicional prática, temendo a falta de competitividade e precisando se sujeitar às alterações cambiais do dólar, que rege a venda dos países vizinhos.

Referência
site: ProGoethe - Associação dos Produtores da Uva e do Vinho Goethe da Região de Urussanga: http://www.progoethe.com.br
site: Vales da Uva Goethe: http://www.valesdauvagoethe.com.br/
site: Agetec - Agência Embrapa de Informação Tecnológica: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/uva_para_processamento/arvore/CONT000g5f8cou802wx5ok0bb4szwyx060i6.html
artigo: Goethe, a uva de Santa Catarina: http://www.uagro.com.br/editorias/agricultura/outros/2012/09/18/goethe-a-uva-de-santa-catarina.html
artigo: Mapa apoia registros de Identificação Geográfica: https://amicodivino.wordpress.com/2012/07/11/mapa-apoia-registros-de-indicacao-geografica/
artigo: Uva Goethe, um pouco de sua história: https://amicodivino.wordpress.com/2012/07/11/uva-goethe-um-pouco-de-sua-historia/
artigo: A diversidade da moscatel: http://revistaadega.uol.com.br/artigo/a-diversidade-da-moscatel_2817.html

Indicado por Renato Mariot Damian
Revisão e pesquisa por Bernardo Simões, Flora Castellano e Ligia Meneguello
Produto embarcado pelo projeto
logo projeto completa

 

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s