Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

A etnia indígena terena participou de um importante capítulo da história brasileira: a Guerra do Paraguai. A importância deste grupo vai além das páginas de história que chega até a cultura alimentar com o hî-hî, bolinho à base de mandioca cuja técnica de preparo revela a importância da ancestralidade e foi elaborada durante a única guerra em território brasileiro.   

A necessidade de um alimento menos perecível foi o que resultou no surgimento do hî-hî, que pode durar por até seis meses. O modo de preparo do bolinho tem sido cada vez  menos praticado entre as novas gerações. Para o preparo, as mulheres indígenas selecionam folhas de bananeira novas e limpas que posteriormente são seladas no fogo. Em seguida, são cortadas em retângulos de aproximadamente 20 X 20 cm. 

A mandioca é descascada e ralada artesanalmente. Acrescenta-se água de rio na mandioca. Com o auxílio de um pano de algodão, o ingrediente é torcido até ter grande parte da umidade retirada, o que ocasiona a separação da fécula. Para garantir uma separação mais precisa, é necessário deixar a fécula descansando em um recipiente por duas horas. Ela pode ser utilizada para o preparo do poheu, um bolinho de fécula de mandioca e do latate, beiju feito com a massa da mandioca. 

Depois de torcida, a massa de mandioca é moldada em formato retangular, depois é colocada nos retângulos de folha de bananeira e lacrada com trouxinhas individuais com folha de bocaiúva. O bolinho é cozido em água por aproximadamente 15 minutos. Quando a folha de bananeira atingir a cor marrom, é sinal de que o bolinho está pronto. Para aumentar a durabilidade, os bolinhos podem ser soleados, ou seja, expostos ao sol por aproximadamente duas horas. 

O quitute tem alta durabilidade, de aproximadamente seis meses. É bem apreciado em datas comemorativas como Dia do Índio, casamentos e aniversários. Geralmente nessas ocasiões o hî-hî é servido na gihou, mesa preparada com a forquilha, nome dado a galhos de árvore conectados entre si, além de outros pedaços de madeira. Esse modo de preparo ainda é preservado nas aldeias rurais Bananal, Ipegue, Lagoinha, Água Branca, Limão verde, Cachoeirinha, Moreira e Buriti. 

Indicado por Kalymaracaya
Pesquisa por Sara Campos
Revisão por Ligia Meneguello
Produto embarcado pelo projeto
logo projeto completa

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s