Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

Chama-se popularmente de içá as fêmeas aladas de um grupo formado por várias espécie do gênero Atta, família Formicidae. É um grupo presente nos trópicos e tem ocorrência em todo o território nacional, apesar de muito menos frequente em função das modificações ambientais.

Vivem em ninhos subterrâneos e se alimentam de resíduos vegetais que atuam como substrato para o cultivo de um fungo, utilizado em sua alimentação. As içá possuem hábitos mais noturnos e preferem agir em temperaturas amenas; sobem nas plantas e cortam, com suas mandíbulas, pedaços de suas folhas - por isso chamadas “cortadeiras” - levando os pedaços vegetais para dentro da colônia. São rápidas e trabalham em conjunto, sendo consideradas pragas nas plantações.

Durante a estação reprodutiva (primavera - verão), as içás deixam a colônia para o voo nupcial e, depois do acasalamento, perdem as asas e saem para fundar um novo ninho. É nesse momento que são capturadas para preparo e consumo.

içá na lata paladar.jpgIçá congelado. Foto: Neide Rigo

Inicialmente consumida pelos indígenas em diversos pontos do território nacional, o hábito alimentar foi repassado aos tropeiros - grupo de trabalhadores que realizava o transporte de mercadorias entre longas distâncias durante o período colonial - e sertanejos.

O período de caça às içás já faz parte do calendário cultural da cidade de Silveiras, no Vale do Paraíba. Já no Ceará, a captura, o modo de preparar e a degustação da tanajura são tombados como patrimônio imaterial do povo do município de Tianguá, localizado na Cuesta da Ibiapaba. Apesar disso, é um alimento que ainda sofre bastante resistência em ambientes urbanos.

Por ser considerada uma importante praga, agricultores tradicionais utilizam iscas à base de óleos essenciais e bagaço de laranja para destruir as colônias. Já a agricultura de grande escala aposta na aplicação de venenos, cada vez mais potentes. A devastação de ambientes naturais, a perda dos hábitos alimentares tradicionais, o crescimento urbano e o uso de agrotóxicos contribuem muito para a diminuição de avistamento de arrevoadas de içás, sendo cada vez menos frequentes.

Normalmente é preparada no fogão à lenha, torrada com banha de porco ou frita. É consumida isoladamente, como aperitivo  ou como acompanhamento de carnes e peixes.  

Por influência tropeira é muito apreciada na forma de farofa, feita com farinha de mandioca e com o abdômen da formiga.

Indicado por Jean Marconi de Oliveira Carvalho
Pesquisa por Sara Campos
Revisão por Ligia Meneguello

Referências:

Michereff MFF, Michreff Filho M, Formigas cortadeiras
Iguaria gastronômica, formiga é vendida nas redes sociais
Espécie de formiga tanajura é uma fina iguaria da culinária cabocla, servida torrada e consumida como se fosse amendoim
Curiosidades sobre a Formiga Tanajura (içá) você realmente sabia?
Come-se: É tempo de revoada de içá ou tanajura. Coluna Nhac do Paladar, edição de 11/12/2014, por Neide Rigo

Este produto compõe o projeto
Logo Novo Projeto site copy

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s