Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

O Brasil destaca-se como centro de origem e de diversidade do abacaxizeiro. Com a chegada dos europeus na América, o abacaxi foi levado para outras regiões do mundo por viajantes e mercantes. O fruto, desta forma, chegou às Filipinas, ao Hawai, à India, Africa e até China.

O abacaxi pequeno (Ananas comosus), chamado também abacaxi-do-mato ou abacaxi do tupi (quer dizer “fruta cheirosa”), é uma bromélia com folhas radiais, em feixes, com espinhos nas bordas. Gosta de solos ácidos, bem drenados e com muita luminosidade. Produz um fruto semelhante ao abacaxi comum, porém de tamanho menor, medindo até 20 cm de comprimento. Possui coloração amarelada quando maduro e sabor um pouco mais ácido. A planta forma uma touceira de até 70 cm de altura.

É consumido in natura, para aproveitar a polpa doce e suculenta. São frutos rústicos e resistentes que, inteiros e maduros, se conservam por uma semana ou mais sem sofrer danos e, semi-maduros, prolongam-se por mais tempo. O miolo central, mais duro, pode ser triturado e aproveitado em sucos e geleias. A fruta pode ser desidratada, em fatias finas secas ao sol. O ananás é usado na medicina tradicional para combate o mau colesterol, evita o acúmulo de gordura pelo organismo, combate gripes e resfriados, ajuda a prevenir e a expulsar cálculos renais e vesicais, combate as enfermidades da bexiga e da próstata, além de possuir enzimas digestivas que auxiliam na digestão.

O Abacaxi é importante para a cultura dos povos Xakriabá, da região de São João das Missões, Norte de Minas Gerais, reforçado no relato de Joel Xakriabá:
“Durante a caça, que pode demorar dias no Cerrado, os índios Xakriabá se alimentam de ananás. Com o desmatamento (carvoarias, pastos, etc.) ao redor do território Xakriabá, as áreas da planta de ananás foram se acabando, restando poucas. Muitos animais também se alimentam deste fruto. Há uma grande preocupação pela preservação não só dá planta do ananás, que faz parte da culinária e medicina Xakriabá, mas também do Cerrado, que apresenta grande variedade de espécies em todos os ambientes; que dispõe de muitos recursos ecológicos, abrigando comunidades de animais com abundância de indivíduos, alguns com adaptações especializadas para explorar o que fornece seu habitat”.

Indicação: Joel Gonçalves de Oliveira
Pesquisa e texto: Marcelo Aragão de PodestàEste produto compõe o projeto:

3logo site1

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s