Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

O feijão-macuco (Pachyrrhizus tuberosus), conhecido também como jacatupé, jicama ou feijão de batata, é uma planta herbácea da família Fabacea, de hábito trepador. Possui folhas trifolioladas, membranosas e lisas. Apresenta pequenas flores azuis ou brancas, que originam vagens retas, negras, com sementes marrons. Propaga-se pelas raízes tuberosas ou sementes. Apesar de um de seus nomes populares, feijão-macuco, as vagens e folhas são tóxicas, e não são comestíveis, mas sim as raízes tuberosas que essa planta produz. Populações indígenas a consomem, assim como algumas comunidades caboclo ribeirinhas da Amazônia.
As raízes possuem alto valor proteico, e por isso tem-se tentado incentivar o cultivo e consumo do feijão-macuco na região, mas a voracidade com que as sementes convencionais têm chegado ao interior de estados como o Amazonas ameaça esta espécie.
Como é uma planta nativa da região amazônica, assim como em outros países da América Latina, o feijão-macuco tem uma relação cultural significativa com as populaç ões humanas da região.

Além disso, o incentivo ao seu cultivo de maneira estratégica, pode se tornar uma alternativa forte contra o uso de sementes modificadas e dependentes de um pacote tecnológico agressivo à vida, produzindo batatas de até 4 quilos. É uma planta de interesse para os sistemas agroecológicos, pois pode ser utilizada como repelente natural de insetos. Essas são algumas das razões para a conservação dessa espécie.

Dada sua importância nutricional e sua ocorrência em toda a Amazônia, é de grande relevância o reconhecimento dessa planta e de seus produtos para a inserção na culinária e dieta dos povos da região. Nos grandes centros urbanos o feijão-macuco é praticamente desconhecido, o que reforça ainda mais a necessidade de conservar a espécie e suas variedades.
As tuberosas podem ser utilizadas frescas ou cozidas em saladas. Pode apresentar um sabor levemente adocicado, dependendo das condições do ambiente de cultivo. Possui consistência crocante.

Cozida pode ser utilizada no preparo de purês e outras receitas.

A farinha do feijão-macuco pode ser utilizada no preparo de pães, doces, bolos, bolachas.

Indicação: Carlos Alexandre Demeterco
Este produto compõe o projeto:
Logo Novo Projeto site copy

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s