Slow Food Brasil

Cadastre o seu e-mail e receba novidades:

O avium (Acetes americanus) – chamado tambén camarão de água doce ou aviú - é um camarão de aproximadamente 8 mm. É um crustáceo de água doce encontrado somente na região de Santarém e Cametá e sua ocorrência está associada ao início do período de cheia na Amazônia. Por isso é mais capturado após os períodos das grandes chuvas, entre abril e maio.
A maior parte dos camarões capturados é desidratado, tradicionalmente enrolados em folhas de palmeiras e salgados na proporção de uma parte de sal para três partes de camarões.
O seu aroma delicado é muito parecido com o aroma de outros camarões, frescos ou secos.

Tem relação com a cultura indígena da região do Baixo Rio Amazonas do Pará. A captura do camarão, assim como a desidratação e salga para o preparo do avium, foram apropriadas pela população local.

O avium é apreciado e consumido durante todo o ano, empregado em bolinhos, omeletes, na mojica (um caldo paraense típico, preparado com avium, farinha de piracuí, legumes e verduras) e outras sopas, farofas e tortas, substituindo com primor camarão seco e salgado mais conhecidos. Geralmente o avium é consumido acompanhando algum caldo ligado à mandioca. Um exemplo é a introdução do avium, em alguns casos, no tradicional tacacá na região do Amazonas, um caldo preparado com goma de tapioca e o molho de tucupi.

O avium é normalmente vendido salgado e seco, sua melhor maneira de conservação. O avium também pode ser comercializado fresco, durante o período de captura desses camarões. Facilmente encontrado em feiras da região de Santarém e Cametá, mas também podem ser comercializados em feiras de outras cidades maiores e mais distantes, como Belém e Manaus.
O avium já seco e salgado, é rapidamente vendido, sendo que a oferta no mercado não atende à demanda significativamente. Atualmente o estado não provém de nenhuma política de defeso dessa espécie de camarão, o que aumenta a pressão sobre as populações nativas. Tanto a barragem de São Luiz do Tapajós, quanto a modernização do porto de Santarém, são projetos infraestruturais que podem afetar diretamente o ciclo reprodutivo desse camarão, além de outras espécies de peixes e demais animais importantes para a região.

Este produto foi indicado por Susanne Gerber-Barata e compõe o projeto:

 3logo-site1_copy_copy_copy_copy.png

Conheça mais sobre Slow Food InternacionalFundação Slow Food para BiodiversidadeTerra MadreUniversidade das Ciências Gastronômicas

» SLOW FOOD BRASIL | Login »»

© 2013 Slow Food Brasil. Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.
Design e desenvolvimento: DoDesign-s